Ação social arrecadará alimentos e homenageará Irmã Dulce

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this page

Uma ação social para arrecadar alimentos e material hospitalar será realizada no próximo domingo (13), pela Paróquia Nossa Senhora das Candeias. A atividade faz parte das homenagens em memória pelos 25 anos de falecimento da Beata Irmã Dulce. Na ocasião, será lançado também o projeto Solidários na Alegria do Evangelho (SAE), criado pelo vigário frei José Nasareno OFMConv.

O dia festivo terá início às 7h, com a Santa Missa no Santuário Nossa Senhora das Candeias. Logo após a celebração, os fieis saem caminhada pelas principais ruas da cidade até a praça Irmã Dulce. No local, haverá grande momento de louvor, adoração, testemunhos e evangelização, além de homenagens ao Anjo Bom da Bahia encerrando com a benção final. “Venha conosco para esta caminhada da caridade. O amor jamais acabará. Irmã Dulce, 25 anos de sua presença viva e testemunho. Ela continua viva entre nós. Um dia de oração, testemunho e gesto concreto”, ressalta frei José Nasareno OFMConv.  Os alimentos e os materiais hospitalares arrecadados serão doados as Obras Sociais Irmã Dulce.

SAE

Criado em fevereiro deste ano, a ação tem como principal objetivo ajudar e propagar a palavra de Deus para pessoas carentes, seguindo os ensinamentos do Papa Francisco que nos pede uma Igreja solidária e misericordiosa que leva no serviço aos homens a alegria do Evangelho. O projeto traz o lema “Mãos que dão as mãos e ajudam na partilha do pão”. Segundo o frade, o projeto nasceu em comemoração aos seus 25 anos dos votos religiosos. “O SAE nasceu de um gesto de meu coração como franciscano por ocasião dos meus 25 anos de votos religiosos”, explicou.

Anjo Bom da Bahia

Por ocasião de sua Beatificação, ocorrida em maio de 2011, Irmã Dulce recebeu o título de Bem-Aventurada Dulce dos Pobres, tendo o dia 13 de agosto como data oficial da celebração de sua festa litúrgica. O significado da data remete a 1933, quando a jovem Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes ingressou na Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, no Convento de Nossa Senhora do Carmo, em São Cristóvão (Sergipe). Naquele mesmo ano, no dia 13 de agosto, com 19 anos, ela recebeu o hábito e adotou, em homenagem à sua mãe, o nome de Irmã Dulce.

Nascida em 26 de maio de 1914, na cidade de Salvador, Maria Rita começou a manifestar interesse pela vida religiosa desde cedo, ainda no início da adolescência. Aos 13 anos de idade, já atendia doentes no portão de sua casa, no bairro de Nazaré. Sempre com muita fé, amor e serviço, o Anjo Bom iniciou na década de 1930 um trabalho assistencial nas comunidades carentes, sobretudo nos Alagados, conjunto de palafitas que se consolidara na parte interna do bairro de Itapagipe, na capital baiana.

Em 1949, Irmã Dulce ocupou um galinheiro ao lado do convento, após a autorização de sua superiora, com os primeiros 70 doentes. A iniciativa marca as raízes da criação das Obras Sociais Irmã Dulce (OSID), instituição que abriga hoje um dos maiores complexos de saúde 100% SUS do país, com 4,6 milhões de atendimentos ambulatoriais por ano. Irmã Dulce faleceu no dia 13 de março de 1992, aos 77 anos, e está atualmente em processo de Canonização. Para ser canonizada (declarada Santa) é necessária a comprovação de mais um milagre atribuído à freira baiana.

 

 

Pascom- Santuário Nossa Senhora das Candeias

Comentários: